segunda-feira, fevereiro 21, 2005

Blitzkrieg-V

A opinião do autor é bastante curiosa sobre a campanha do norte de africa. Considera que Rommel tornou-se uma lenda só porque usou as tácticas que eram consideradas um paradigma na época, foi beneficiado pela propaganda alemã que necessitava de um herói e que no fim de contas perdeu, mas reconhece que devido à inferioridade numérica que possuía e o muito menor número de tropas que possuía sofrendo menos baixas, era melhor táctico do que os seus adversários.
Quanto a Montegomery, elogia-o, porque considera que utilizou o exército que tinha da forma mais adequada com as suas capacidades: guerra de atricção, não tentou fazer grandes ofensivas como os alemães, dado que o seu exército não tinha capacidade de o fazer (o erro apontado aos seus antecessores, e que sofreram com isso, dado o exército alemão ter um muito melhor treino e iniciativa). Limitou-se também a atacar quando tivesse assegurado a absoluta superioridade numérica que lhe garantisse a vitória independentemente das circunstâncias, ignorando os apelos de Churchill. Assim, o VIII exército agarrou o afrika corps ao terreno e desgastando-o, tirou-lhe a iniciativa. Melhor, depois de El Alamain, não correu o risco de lançar ofensivas precipitadas (como tinha sucedido em 1942) e limitou-se a seguir no encalço do afrika corps, até chegar à Tunísia, dado que o tempo jogava a seu favor. A vitória do bom senso sobre o génio.

2 comentários:

Ricardo Manuel disse...

As ofensivas e contra-ofensivas no Norte de África são um pouco confusas, desde a ridícula ofensiva italiana sobre o Egipto aos duros combates no desfiladeiro de kasserine, passando por Tobruk, Alamein, operação Torcha... Agradecia que fosse colocada uma cronologia adequada dessa parte tão interessante da segunda guerra mundial.

Parca disse...

Estes posts são apenas um comentário a um livro que se pretende "revisionista" sobre a II guerra e não propriamente uma descrição da guerra. Posso um dia colocar uma cronologia, mas isso arranja-se facilmente na net ou num livro sobre a guerra.