segunda-feira, junho 26, 2006

Os mistérios

Os mistérios de Eleusis foram um conjunto de cerimónias celebradas em Eleusis (arredores de Atenas), desde um período indeterminado da antiguidade até à sua proibição em 392 pelo imperador Teodósio. Baseado em mitos (Deméter deusa da agricultura viu a sua filha Perséfone raptada por Hades deus dos mortos para a fazer sua esposa, o que levou à esterilidade da terra; depois de um compromisso, Perséfone passaria uma parte do ano no sub-mundo e o resto do ano à superfície), representava o ciclo das estações com a morte no inverno e o renascer na primavera. No período clássico, os mistérios eram das cerimónias mais importantes (a par dos jogos olímpicos) e levados a sério. Atenas perdoou muitos disparates a Alcibíades, mas a profanação desses mistérios custou-lhe a pena de morte (de que fugiu) e provavelmente a vitória da sua cidade na guerra do Peloponeso. O imperador romano Juliano participou nesses mistérios.
Em que consistiam? Na realidade pouco se sabe. Como os participantes tinham de manter segredo, só alguns aspectos públicos se conhecem (uma procissão). O resto pode-se deduzir: cânticos, orações, sacrifícios, embora se ignore o conteúdo exacto. Qualquer grego, independentemente da sua classe social podia participar (e ausência de cadastro) tornando-os relativamente igualitários e dando uma sensação de fraternidade; no período romano conseguiriam manter um forte prestigio (apesar da decadência dos cultos tradicionais greco-romanos) e só a sua limitação geográfica (o cerimonial tinha de ser cumprido localmente) impediu uma maior difusão.

quinta-feira, junho 22, 2006

Cavaleiros

No séc. XV, qualquer indivíduo que servisse por um determinado tempo em Ceuta ou nas praças de Africa com armas e cavalos por sua conta, adquiria o grau de cavaleiro. Muitos proprietários vilãos ou comerciantes abastados enviavam os seus filhos como forma de promoção. Simplesmente o grau era concedido apenas pela vida do beneficiário; a sua extensão a descendentes dependia da continuação do serviço ao rei para este a conceder.

sexta-feira, junho 16, 2006

Genji Monogatari





Retomei a ler a leitura da história de Genji (leio só no verão). Recapitulando, é um romance japonês escrito no séc. XI por uma mulher de que se ignora quase tudo (era acompanhante de uma princesa Japonesa) que retrata a vida fictícia de um filho (Genji) de um imperador e a vida da corte; não há exactamente uma trama, apenas seguimos a sua vida e o de outras pessoas que coexistem consigo.
Genji teve o azar de ter uma mulher mais velha (cerca de 60 anos) apaixonar-se por ele, embora ele a rejeitasse. Tono, o seu amigo/rival/cunhado (pertencente ao poderoso clã Fujiwara) pensou que Genji gostava da senhora e insinuou-se com ela, acabando por ser bem sucedido; quando se espalhou de que Genji gostava da senhora (deixando este agastado), toda a gente achou uma bizarria alguém tão prendado gostar de uma velha.
Mais tarde, Genji deixou sem querer, ficar mal visto a Senhora Ryoki (uma antiga ligação) ao recusar “encontrar-se” com ela, deixando o imperador aborrecido que achou que ele estava a ser indelicado. Genji acabou por conseguir dormir com Fujitsibo a nova consorte do imperador seu pai, engravidando-a; felizmente ninguém descobriu, apesar do rapaz ser igual ao pai Genji (deixando o imperador muito feliz, por pensar que tivera outro filho bonito como Genji).
Entretanto a sua própria esposa oficial (Aoui) que estava cada vez mais fria com ele (não achando piada às suas constantes infidelidades), engravidou, mas ficou doente devido à presença de vários espíritos. Genji descobriu que esses espíritos eram inofensivos, o que estava a torna-la doente era a presença do espírito da senhora Ryoki (que ainda estava viva). A mulher acabou por falecer depois do parto deixando um rapaz.
Murasaki (sobrinha de Fujitsibo) já tem uns 11 anos e está lentamente a perceber que não vai poder continuar a brincar com bonecas muito mais tempo, embora ainda não tenha percebido que Genji deverá torná-la sua esposa (já tinha várias para além da oficial).
Genji participou numa excursão de Outono com a corte: foi tão brilhante na execução de uma dança (levando as lágrimas aos olhos da corte) que o resto do dia ficou estragado com a (comparativa) mediocridade das outras execuções. Num outro dia dançou novamente de forma improvisada portando-se bem, mas foi suplantado por Tono que se vestira de forma muito mais cuidadosa e fartara-se de ensaiar.
O imperador arrependido de ter tornado Genji um comum, decide que o seu novo filho (filho de Genji) será um príncipe herdeiro (mais um de muitos), e trata de promover também Genji na hierarquia da corte, que se vai aborrecendo com as exigências do seu trabalho, preferindo a vida despreocupada que levara até então.

segunda-feira, junho 12, 2006

Bola

O rei Pirro estava a passar quando viu alguns soldados a jogar com uma bola com equipamento (armadura e capacete). Perguntou-lhes o que estavam a fazer: responderam-lhe que estavam a preparar-se para uma competição séria, a batalha. Satisfeito, Pirro decidiu ir ter com os oficiais para os soldados serem promovidos. Descobriu que os oficiais estavam a beber. Furioso despromoveu os oficiais e substituiu-os pelos soldados em questão.

terça-feira, junho 06, 2006

Respostas

Um amigo meu enviou-me este link de um artigo do público que tinha lido. Respondi-lhe, e decidi colocar aqui o mail que lhe enviei.

"Não posso falar pelo Ratzinger, mas posso dar-te uma achega da relação dos nazis com o cristianismo.
Em primeiro lugar, de forma subtil, no topo da hierarquia existia uma divisão entre os que eram católicos (Himmler, Goebbels) e protestantes (Borman). Não sendo qualquer um deles crente, desprezavam os da outra confissão. É um bocado difícil de explicar isto, mas Himmler mas mandava prender evangélicos sem dores de consciência, Borman tinha todo o prazer em mandar padres e freiras para campos de concentração (digamos que era uma espécie de solidariedade para com aqueles que tinha sido da sua confissão, embora já não acreditassem nela). Himmler admirava a igreja católica pela sua hierarquia, obediência, e liturgia, usava-a como modelo, embora planeando um dia livrar-se desse concorrente indesejado já que tinha uma origem não ariana, e estava sediada num país de raça inferior e pregava uma doutrina concorrente.
A Igreja era tolerada e usada porque convinha, mas um dia, ela seria eliminada, como tinha acontecido com os partidos e os sindicatos. E o Deus dos Nazis era bem diferente.
Quanto à igreja: no princípio, tal como a aristocracia e a classe média, ela só queria alguém que os salvasse dos comunistas; a igreja apoiava os conservadores (nunca os nazis que eram vistos como um bando de revolucionários, os discursos dos anos 20 eram muito anti-clericais), mas na década de 30 os nazis moderaram o discurso e tornaram-se respeitáveis. Os conservadores aliaram-se aos nazis e resolveram os problemas. Quem foi eliminado foi toda a casta de "vermelhos", o que não desagradou a ninguém (além dos próprios). O partido católico (existia um) opôs-se aos nazis, mas depois do "suicídio" do seu líder e mais alguns colaboradores na noite das facas longas, os católicos calaram-se. Porque reclamar, se tudo corria bem? Depois vieram as limitações da liberdade de discurso, de imprensa, perseguições de recalcitantes (padres e freiras que não sabiam estar calados), a eutanásia forçada de deficientes, mas tudo era compensado pelo aparecimento em cerimónias oficiais, o silenciamento dos elementos mais à esquerda do partido (que era na origem um partido com forte componente de esquerda) e manutenção dos privilégios. E é preciso não esquecer que o extermínio de prisioneiros é só a partir de 1942, até então não se praticava (o pessoal parece achar que campo de concentração=câmara de gaz e mortes indiscriminadas, o que é falso).
Onde estava Deus? Isso interessa? Foram seres humanos que praticaram (e praticam) os horrores por livre arbítrio. É só a nós que nos temos de culpar."

Manuscritos

Imagina o leitor que se depara com um manuscrito alemão. Este manuscrito refere que um dia o povo alemão encontrará um líder que o fará despertar (dado que são um povo eleito), e entrará em guerra com os franceses a quem conquistarão dado este ser um povo degenerado, depois expandir-se-ão para leste, e criarão um império universal; a falsa igreja de Roma será derrubada e substituída por uma verdadeira. Mas mais importante que tudo, destruirão a raça maldita dos judeus que são uma praga que consome a terra (e muito mais verborreia do género). Familiar? Se pensa que isto é um texto nazi, desengane-se: é um manuscrito do séc. XVI do “anónimo de Nuremberga”. Provavelmente um frade, de que se ignora quase tudo. Do que se sabe nem Hitler, nem qualquer um dos teóricos nazis o leu. O que arrepia ainda mais.