sexta-feira, maio 06, 2005

Como fundar uma idade de ouro depois de subir bajulando os governantes e denunciado os amigos


Posted by Hello
Na corte de Bizâncio, um jovem de humilde condição chamado Basílio que era pajem/ajudante (o termo em grego era outro), devido à sua força, e capacidade de domar cavalos, conseguiu cair nas boas graças de senhores poderosos. Subindo de protectores (caindo normalmente cada um deles depois em desgraça), acabou por se tornar amigo do Basileo Miguel III e conseguiu que este o nomeasse co-imperador. Um belo dia, Basílio mais alguns amigos e parentes decidiram assassinar o legítimo soberano. Depois de uma festa em que este se embebedou até cair e se foi deitar, eliminaram vários criados que estavam com ele, cortaram-lhe as mãos (para o impedir de se defender) e discutiram o que haveriam de fazer: mata-lo ou furar-lhe os olhos e interna-lo nummosteiro. O imperador que já estava bem acordado pediu misericórdia, mas os conspiradores concluíram que ele era perigoso demais e mataram-no. Apesar de todos os pormenores sórdidos, o restabelecimento do império, e a fundação de uma dinastia (a dos macedónios embora provavelmente Basílio fosse Arménio) que levou Bizâncio ao apogeu apagaram esta mancha.
Como nota final, sabemos actualmente que muitos pormenores da sua história são provavelmente falsos (como a história de que era pobre e muitos dos seus comportamentos).

2 comentários:

Anónimo disse...

Estou baralhado. Com aquele último parágrafo estás a dar ideia que a maior parte das coisas que escreveste antes são meras conjecturas ou lendas.

Parca disse...

Bem, o problema é que o que sabemos foi tudo contado anos depois. Sabemos que ele efectivamente assassinou o imperador e os pormenores macabros também devem ser verdadeiros dado que são contados por apologistas a desculpa-o dado os crimes do imperador (que só os conhecemos pelos defensores de Basilio). Mas as lendas de que Basilio vinha de uma família pobre e numerosos pormenores é que devem ser inventados.