quinta-feira, dezembro 28, 2006

Línguas semitas

As línguas semitas fazem parte de um grupo mais vasto, aparentado com línguas da Africa oriental (desse grupo fazia parte o antigo egípcio). Desconhece-se de onde vieram os semitas (Ásia? Africa?). A partir do 3º milénio, foram lentamente aparecendo diversos povos na mesopotâmia (povoada anteriormente pelos sumérios de origem desconhecida) que falavam línguas semitas: os amorreus, os acádios, só para citar alguns dos mais importantes. Lentamente o acádico foi substituindo todas as línguas que aí existiam, até que por sua vez os aramaicos surgiram e acabaram por impor a sua língua (estes processos deram-se numa uma lenta aculturação feita a partir das elites e não propriamente por imposição pelo uso das armas).
O aramaico entretanto foi-se expandindo até se tornar a língua mais falada no médio oriente (até ao período árabe), desde a fronteira egípcia até territórios dominados pelos persas. Obviamente uma língua falada num período tão vasto (1500 aC até 700 dC)e em zonas tão dispares tinha de sofrer modificações, de modo que o aramaico se dividiu em diversas línguas (de que sobreviveram algumas ainda actualmente). Não foi afectado pelo grego, nunca tendo os soberanos helenísticos ou romanos conseguido substituir a língua.
Outra língua semita é o árabe: de facto, existiam diversas línguas e dialectos árabes mas uma delas por ser a língua em que foi registado o corão (o chamado árabe clássico) conseguiu impor-se e levou à quase extinção das outras. Com a conquista muculmana, o árabe acabou por substituíro aramaico como língua falada pela maioria dos habitantes do médio oriente, conseguindo-se expandir para além dessa área. Apesar das diferenças regionais que acabaram por surgir, a existência de um livro sagrado de gramática fixa de leitura obrigatória (nem que seja para as classes cultas), consegue manter uma certa inteligibilidade entre as variantes do árabe dos vários países (fenómeno que não se deu com o latim). Acabou por dar origem a outras línguas como o maltês (ou deixar uma marca profunda nomeadamente nas línguass da península ibérica ou na Sicília).
O hebraico é uma língua semita aparentada com o fenício. Impôs-se por volta do ano 1000 aC na palestina, mas as guerras e deportações com os assírios/babilónios levou a que a língua fosse lentamente substituída pelo aramaico (sobrevivendo como língua litúrgica e influenciando as línguas faladas pelos judeus, quaisquer que fossem). Só foi recuperada como língua oficial de um estado no século XX com Israel.
Uma menção especial para o fenício: este povo de mercadores criou o primeiro alfabeto e conseguiu que a sua língua sobrevivesse até à conquista árabe.
Ainda existem diversas línguas semitas no chamado "corno de AFrica" que são faladas por milhões de pessoas.

3 comentários:

Bárbara disse...

Olá, achei o blog por acaso e apenas gostaria de elogiá-los pela iniciativa !
um abraço!

Parca disse...

Obrigado! Passe sempre que quiser.

ismael disse...

Gostei do comentario,linguas semitas