terça-feira, dezembro 12, 2006

Filipe IV

Há alguns anos atrás li esta história que se passou no reinado de Filipe IV (III de Portugal). Todos já vimos filmes sobre piratas a assaltar barcos espanhóis, mas o que é menos conhecido, é que existia também corso do lado espanhol (sobretudo da Cantábria). Muitos católicos da Holanda fugiam para os países baixos espanhóis e colocavam-se ao serviço dos reis espanhóis. Foi o caso de um jovem que se alistou como simples grumete. Com o passar dos anos foi sendo promovido até comandar uma pequena frota que fazia a vida negra aos seus ex-compatriotas. Ora depois de uma infeliz expedição (apanhou mau tempo e acabou aprisionado, a Coroa espanhola foi imediatamente resgata-lo pagando por ele e pelos seus marinheiros uma pequena fortuna (com os protestos dos negociantes holandeses que queriam que as suas autoridades os deixassem apodrecer nas prisões), tal era a importância estratégica que lhe era reconhecida. Uns anos depois esse marinheiro foi a Espanha numa missão. Filipe IV mandou imediatamente que ele fosse à corte pois queria conhece-lo: ele tinha uma enorme admiração por esses marinheiros que o serviam e levavam vidas aventureiras. Quis dar-lhe uma das ordens (creio que era a de Santiago), e perante os protestos das comissões que diziam que não havia possibilidade de comprovar a sua pureza de sangue (eram necessários papéis comprovativos vindos da Holanda, o que era impossível dado o estado de guerra), Filipe IV arranjou uma série de testemunhas abonatórias da pureza da fé do velho marinheiro, tendo-lhe depois arranjado um lugar num conselho consultivo sobre os assuntos da Flandres (isto tudo com o apoio do Duque de Olivares que queria misturar ao máximo as populações das várias partes do império para aumentar a sua solidariedade e diminuir o seu nacionalismo).

4 comentários:

João Moutinho disse...

Interessante essa História.
Até porque piratas são só os outros, nós somos gloriosos marinheiros e descobridores.

Anónimo disse...

Falando de Filipe IV, era mesmo verdade que ele gostava de praticar actos sexuais com a mobília? Vi isto nas notas de um CD do Scarlatti, mas não faço ideia se seja verdade ou não.

Bruno

Parca disse...

De Filipe IV não sei, mas quem o fazia era o filho de Filipe II o principe Carlos que foi provavelmente executado por ordem do pai.

Anónimo disse...

Não era só Inglaterra com Sir Francis Drake que tinha corsarios...e no meio disto tudo quem pagou as favas da pirataria foi Portugal que via as suas colonias constantemente a serem violadas sob o dominio Filipino. Seculos XVI e XVII controversos na historia...

António