terça-feira, janeiro 24, 2006

O nome da Rosa




O filme é bom, o livro é muito melhor. Vou tentar descrever o livro. Um velho monge beneditino (Adso de Melk) de finais do séc. XIV relata um acontecimento terrível que assistiu quando era jovem.
50 anos antes, sendo um noviço, viajou com um frade franciscano inglês. Este que fora inquisidor, é chamado pelo abade de um mosteiro beneditino do norte de Itália para resolver um problema. Este mosteiro, tem uma biblioteca famosa, onde se copiam e conservam manuscritos antigos (mas não recentes), mas que é vedada a entrada. O irmão Baskerville (o nome do frade) é informado que foi encontrado um jovem que poderá ter sido assassinado (ou cometido suicídio). Nos dias seguintes mais morte vão-se sucedendo, e progressivamente, vamos descobrindo que as mortes estão relacionadas com um manuscrito que seria nada mais, nada menos do que o 2º livro da poética de Aristóteles (já falei dele aqui). Porquê os homicídios? De uma forma muito resumida, porque legitimava o riso. Quanto aos crimes, o quem, é fácil de adivinhar, o como é bastante engenhoso. São apresentadas inúmeras obras na maioria da alta idade média (quantas delas já desaparecidas e outras inventadas por Ecco). Os livros tem um valor que ultrapassa em muito o facto de serem um mero suporte de transmissão de conhecimento, não devendo ser permitidos o seu livro acesso aos comuns, dado o perigo de má interpretação.
Ao mesmo tempo assistimos a todos os conflitos internos da igreja da época. Vemos as divisões que se davam nas ordens religiosas que tinham diferenças que poderíamos chamar de ideológicas (beneditinos mais aristocráticos mas representando um mundo que estava a ficar para trás, os dominicanos apresentados comos os maus devido à sua ortodoxia e zelo de perseguir os que se desviassem, os franciscanos mais abertos ao mundo mas com imensas divisões que levariam à criação de novas ordens religiosas e vários heréticos), os conflitos entre o Papado e o império e a sombra da inquisição, as várias heresias.
Para além da trama policial (que serve para qualquer época), fica um background e uma atmosfera que retratam muito bem a época.
Temos uma gama de personagens todas bem caracterizadas (Malaquias o alemão, Jorge o hispânico e Salvatore um herético convertido à simpática vida dos beneditinos antes de ser apanhado- “excelência reverendíssima, io stupido”). O inquisidor (Bernardo de Gui) existiu efectivamente).
O filme teve de cortar com todos os pormenores que dão valor ao livro, mas apesar de tudo, consegue fazer um bom trabalho de salvar o que pode. O melhor filme de idade média que vi.

4 comentários:

Cátia disse...

Ainda não tive a oportunidade de ver mas creio que já ouvi falar. Se não me engano a versão Inglesa conta com o actor Sean Connery, certo?

Parabéns pelo Blog. Li as outras entries e são realmente interessantes.

Parca disse...

O filme se não me engano era uma co-produção, e sim, aparecia Sean Connery.

Anónimo disse...

vi o filme e adorei. no inicio era assim um bokado seca, mas depois achei mesmo interessante.

Anónimo disse...

ofilme é muito interresante nunca tinha assistido a primeira oportunidade que tive foi única na escola onde estudo o meu professor de história passou para que a minha classe podesse conhecer .no começo foi meio estranho mais depois ficou legal.pude peceber que todos os alunos ficaram meio inprecionados com o filme!!!!!!!!!!